AMETRAMO nega existência de Curandeiros que usam partes do corpo de albinos

Com o aumento dos casos de tráfico de órgãos humanos de albinos com fins supersticiosos aumenta a cada dia a insegurança das pessoas com albinismo.

Este sábado centenas de pessoas saíram a rua em uma marcha de repúdio à perseguição e assassinato de pessoas com albinismo.

Marcha realizada em Maputo, promovida pelo MISAU

Visto que os motivos que têm levado os criminosos a praticar estes actos macabros estão relacionados com razões supersticiosas que sem fundamentos levam as pessoas a acreditar que partes do corpo de albinos gera riquezas, questionou-se a AMETRAMO sobre esta situação.

Respondendo ao questionamento sobre estes acontecimentos, a Associação dos Médicos Tradicionais de Moçambique, AMETRAMO, representada pelo sr. Fernando Mathe afirmou firmemente que “não existe no país médicos tradicionais formados para usar partes do corpo humano de albinos para quaisquer fins.”

Espera-se que estas marchas juntamente com o trabalho de sensibilização e com a polícia em operação, resulte no fim da ocorrência de casos desta natureza, pois é uma grave violação do direito que todos têm, o direito a vida.

 

Comente aqui pelo Facebook

Tags:

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Inline
Inline