Homem condenado a 10 meses encontra-se ainda na prisão 11 anos depois

Um homem que foi condenado a 10 meses de prisão ainda encontra-se ainda preso mais de uma década após a sua condenação. O facto aconteceu porque o homem foi condenado sob um regime que foi introduzido que foi abolido em 2012.

A Prisão de Protecção Pública (IPP) foi introduzida em 2005 e foi projetado para os criminosos de alto risco responsáveis por crimes violentos e  crimes de s*xuais graves.

Sob o regime, se, no final da sua pena, o preso “perigoso” foi considerado como não tendo reduzido significativamente a sua perigosidade, ele irá permanecer na prisão até que o Parole Board (corpo independente de liberdade condicional) decidisse se ele ou ela poderia ser liberto e viver sem ameaçar a segurança na comunidade.

 O esquema foi desfeito em 2012 pelo então secretário de Justiça inglesa, Ken Clarke, depois que descobriu que o sistema estava sendo usado mais amplamente do que o pretendido e, em alguns casos, por crimes menos graves.

James Ward tinha 19 anos quando foi sentenciado a 10 meses de IPP (sigla em inglês : Imprisonment for Public Protection) por crime de Fogo Posto em 2004. Apesar de repetidas tentativas para convencer o Corpo de Liberdade Condicional que ele não representa perigo para a comunidade e que pode ser liberado, ele permanece preso ate hoje – mais de 11 anos a mais da sua sentença inicial.

Um porta-voz do Ministério da Justiça disse: “a protecção pública continua a ser nossa prioridade. No entanto, este relatório destaca justamente preocupações em torno da gestão de prisioneiros IPP.

“É por isso que criámos uma nova unidade dentro do Ministério da Justiça para combater o atraso e estão a trabalhar com o Conselho de Liberdade Condicional para melhorar a eficiência do processo.” afirmou.

Fonte: Independent UK

 

Comente aqui pelo Facebook

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.