Homem é preso por vender ingressos falsos da Disney pela internet

Um homem foi condenado por fraude e sentenciado a três anos e três meses de prisão pelo Tribunal Popular do distrito de Pudong, em Shanghai, na quinta-feira, por vender ingressos falsos do parque temático da Disney na cidade.

O homem de sobrenome Zheng nasceu em 1987 na Província de Guangdong, no sul da China. Descobriu-se que ele enganou 38 pessoas no valor de mais de 68 mil yuans (US$ 9.789,8) ao vender ingressos falsos online.

Segundo o tribunal, Zheng comprou um bilhete electrônico no site oficial da Disney no início deste ano. Ele utilizou software para mudar o número sob o código QR, enquanto as datas de entrada foram alteradas em conformidade com os pedidos de compradores.

Com escassez de bilhetes nas vésperas da abertura do parque em junho, muitas pessoas caíram na armadilha de Zheng.

Mais de 200 ingressos falsos foram vendidos em sua loja online no taobao.com, impressos e enviados para os compradores. Os bilhetes de adulto foram vendidos por 499 yuans (moeda chinesa) de cada um e os de criança por 375 yuans.

De acordo com o tribunal, Zheng confessou seus crimes e entregou todos os seus ganhos ilícitos. O tribunal também decidiu impor uma multa de 10 mil yuans.

As vítimas de fraude receberam reembolsos do taobao.com e a família de Zheng está “se esforçando” para compensar a Taobao, a plataforma mais importante de compras online da China.

O máximo órgão legislativo da China está deliberando nesta semana um projeto de lei que regulará e facilitará o comércio eletrônico próspero no país, incluindo cláusulas de punição às fraudes e proteção relativa aos direitos dos consumidores.

O site oficial da Disney mostra que os preços de bilhetes de adulto e criança de um dia são de 499 yuans e 375 yuans para fins de semana e 370 yuans e 280 yuans para dias úteis, respectivamente.

Comente aqui pelo Facebook

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Inline
Inline