Morreu Ananias Mathe, primeiro e único prisioneiro a fugir da cadeia de Máxima Segurança na RSA

O cidadão moçambicano Ananias Mathe, que se tornou notável pelo facto de ter sido o primeiro e único prisioneiro a escapulir-se da C-Max Pretória, penitenciária de máxima segurança, na vizinha África do Sul, morreu no fim da tarde de terça-feira, na cidade de Durban, vítima de doença.

Um funcionário sénior da prisão de Kwazulu-Natal disse à TMG Digital que Mathe vinha se queixando nos últimos três meses de um ‘problema digestivo’. Ele morreu no Hospital King Edward VIII.

‘Há três semanas, ele foi levado para o hospital, porque não se sentia bem. Duas vezes (naquela semana) ele foi levado para um hospital em Kokstad, ele foi observado (pelo médico) e trazido novamente de volta. Uma vez, ele foi levado no meio da noite e trazido de volta cedo pela manhã do mesmo dia ‘, disse o oficial.

Inicialmente, as autoridades prisionais suspeitaram que Mathe estava tentando ir para o hospital como parte de um plano de fuga, sobretudo porque ele já havia tentado duas vezes fugir da prisão de máxima segurança C-Max, em Kokstad, onde se encontrava encarcerado a cumprir uma longa pena de prisão.

Mas quando a sua saúde se deteriorou, Mathe foi levado para receber assistência médica em meados de Dezembro, desta vez no Hospital Edendale em Pietermaritzburg, onde foi submetido a uma cirurgia e levado de volta a Kokstad.

Entretanto, na véspera de Natal, ele foi novamente levado ao hospital. Contudo, devido ao receio da sua segurança, ele foi transportado para Durban.

‘Ele esteve por três dias, e o seu estado era considerado como crítico. Ele foi operado duas vezes para o mesmo problema, por algo que não estava bem no seu estômago. Parece que tinha um problema digestivo”, disse o guarda prisional, acrescentando que aguardam pelos resultados de uma autópsia.

Mathe também conhecido como o ‘Houdini da C-Max’ várias vezes tentou evadir-se da prisão, tendo conseguido duas vezes com sucesso de prisões consideradas das mais seguras da África do Sul.

Acusado de vários casos de estupro, assalto a mão armada e assassinato, Mathe surpreendeu a polícia sul-africana ao evadir da C-Max de Pretória em 2006, porque a minúscula janela pela qual conseguiu se escapulir possuía apenas 20 centímetros de largura e 60 centímetros de comprimento.

Acredita-se que Mathe teria untado o seu corpo com vaselina, para conseguir se esgueirar através da minúscula janela da sua cela. O facto mais surpreendente é que na altura da sua fuga Mathe estava com os braços e os pés algemados.

Ele foi capaz de passar por uma parede e uma janela, algo que parece impossível em uma cela onde os prisioneiros são permitidos apenas uma escova de dentes, copo e colher, e são algemados durante todo o tempo.

A célula de onde escapou tinha cerca de seis metros quadrados de tamanho e continha apenas uma cama, sanita, lavatório e banco de madeira.

Uma vez removida a janela, Mathe terá conseguido desmontar duas barras de aço da sua cama, que ele teria usado para colocar nos lados da janela para ajudar a passagem dos seus ombros através da minúscula janela.

Ele também é reportado como tendo usado a sujidade com que o seu corpo estava coberto para rabiscar uma mensagem ofensiva no muro da prisão, durante a sua fuga.

Mathe, que se acredita ter beneficiado de uma intensa formação militar nos tempos da guerra de desestabilização em Moçambique, já havia escapado uma vez de uma prisão de Johanesburgo, em Abril de 2005. Ele foi capturado um mês mais tarde.

No início deste ano, Mathe tentou, pela segunda vez, evadir-se da prisão de Ebongweni C-Max perto de Kokstad.

Segundo as autoridades prisionais, Mathe conseguiu serrar as barras da sua cela e quebrar uma janela antes de ser neutralizado.

Em 2013, ele tentou sair através de um buraco na parede da pia da sua cela. Mas o seu plano foi inviabilizado por um aguarda que alertou as autoridades.

SAPO

Comente aqui pelo Facebook

One Comment

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Inline
Inline